Filme: A menina que tinha dons | Direção: Colm McCarthy Roteiro: Mike Carey  
Ano de Produção: 2016 | Gênero: Drama/Terror |Duração: 1h51min



Olá, pessoal!

A dica cinematográfica para o fim de semana é o filme The Girl with All the Gifts, uma adaptação do livro escrito por Mike Carey, que foi publicado por aqui pela editora Rocco. Não li a obra ainda, embora esteja na minha estante há bastante tempo. Então minha percepção do filme é com base somente no que assisti, já que não tenho parâmetros para comparar, ok?

Neste terror distópico o mundo foi devastado por uma infecção causada por um fungo contagioso que é transmitido, a princípio, pelos fluidos corporais. O fungo cresce no cérebro do hospedeiro, transformando-o em ‘faminto’, ou seja, em zumbi. Existem pelo que entendi dois tipos de ‘famintos’, os que são contaminados de maneira comumente vista nos filmes e séries que abordam o tema, ou seja, através de mordida; mas também através da gestação. Neste caso a mãe contaminada transfere a condição para o bebê, e este ao nascer possui tanto características de zumbis (a fome peculiar, a força, a falta de controle), quanto de humanos (sentimentos, vontade de aprender, consciência).

Ambientado em uma Londres devastada, o filme inicia mostrando a rotina de uma instalação militar secreta, que promove experimentos científicos em busca de uma vacina para a infecção. Os experimentos são feitos utilizando crianças que têm o fungo no organismo desde o nascimento. Assemelhando-se bastante a um sistema prisional, as crianças não conhecem outra realidade que não a das celas em que dormem e a da sala de aula, onde aprendem sobre minerais, mitologia e etc. Sem contato físico, mantendo sempre uma distância segura sob a mira das armas, essas crianças vivem um dia após o outro, sem saber o que de fato está acontecendo no exterior da instalação.


Uma dessas crianças é Melanie, interpretada por Sennia Nanua. Diferente dos colegas, a jovem monstra um grau maior de empatia e inteligência, que se comparam em tamanho à sua vontade de aprender e a necessidade de sentir-se amada. Sempre gentil com todos e observadora de tudo o que acontece ao redor, Melanie demonstra um carinho especial pela professora Helen Justineau, interpretada por Gemma Arterton. Essa professora, particularmente, é mais atenciosa e carinhosa com os alunos, especialmente com Melanie. É justamente por isso que acaba desempenhando um papel importante na trama, principalmente quando se opõe aos métodos de trabalho da Dra. Caldwell (Glenn close), a pesquisadora responsável pelos experimentos em busca da vacina.

Em determinado momento os famintos invadem a instalação, e a partir daí um pequeno grupo consegue fugir em busca de abrigo, ajuda, sobrevivência. A cidade tomada pelos zumbis – esqueçam os zumbis lentos e palermas, aqui eles são ligados no 220 – dificulta a execução de qualquer plano, então a narrativa a partir deste momento se torna caótica, frenética, angustiante. O grupo formado por Justineau, Caldwell e outros militares precisa encontrar maneiras de enfrentar os perigos e a incerteza, ao mesmo tempo que precisam lidar com o medo que a presença de Melanie desperta. Tudo isso enquanto vai ficando cada vez mais claro que a jovem é diferente dos outros infectados, e por isso deverá desempenhar um papel decisivo na história.


Com atuações que não deixam nada a desejar, uma fotografia que demonstra exatamente o caos e desespero da trama e um roteiro que surpreende o telespectador por fugir do convencional, A menina que tinha dons prende a atenção e causa aquela agonia do início ao fim, e por isso eu indico o filme. O final, pelo que observei em diversos comentários pela net, está dividindo opiniões. Talvez por ‘sair da caixinha’ e mostrar uma proposta diferente, talvez porque acontece de maneira inesperada, não sei. Eu, particularmente, gostei do desfecho. E o fato do autor do livro também ter assinado o roteiro deixou a impressão de que as obras podem ter bastante semelhanças entre si. Vou ler o livro e depois volto aqui para comparar ;)


Sinopse: Em um futuro distópico, algumas crianças são mantidas como reféns por um cientista em busca da cura para uma doença que infestou todo o planeta. Melanie (Sennia Nanua), uma garotinha com dons muito especiais, chama a atenção de Helen Justineau (Gemma Arterton) e da Dr. Caroline Caldwell (Glenn Close), que decidem embarcar em uma jornada com a menina.








Compartilhe:

5 Comentários

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Oi Krisna, até já tinha visto o trailer desse filme, mas não sabia que tinha livro, e ficado bem curiosa. O tema Zumbi volta e meia ganha destaque no Cinema ou na Tv e geralmente nos entrega histórias de segurar bem forte o braço do sofá haha e quando os zumbis são ligados nos 220 então... Gostei da critica, o final que "sai da caixinha" me deixou curiosa e apreensiva e espero ver e tirar minhas conclusões. Boa dica ;)

    ResponderExcluir
  3. Eu já ouvi falar do livro, mas não sabia sobre o que se tratava. Fiquei com vontade de conhecer melhor essa história, achei o enredo bem interessante, e gosto bastante de filmes desse estilo. Fiquei bem curiosa pra saber o que acontece no final. Já vou procurar esse filme, espero gostar dele também :)

    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Esse livros está na minha lista de desejados a um tempão mas agora não sei quando vou poder comprar ele enquanto isso vou acompanhando as resenhas gosto de livros nos prendem agora só me resta ler, sobre esse filme eu não conhecia mas me pareceu muito bom mesmo.
    Abraços!!!

    ResponderExcluir
  5. UAU! Parece ser uma história e tanto né!?
    Fiquei bastante curiosa pra saber o desfecho dessa história, dessa luta toda.
    Esse diferencial que nos é mostrado é bem interessante.
    Vou procurar saber mais do livro, gostaria de ler ele antes de assistir ao filme.
    Beijos
    Caroline Garcia

    ResponderExcluir


Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Comente pelo Facebook!